Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Fôrmas, Escoramentos e Andaimes para a construção

Auto-Estrada AP-1 Eibar-Vitoria, Viaduto de Basagoiti, Espanha

Engenharia eficiente com maior rendimento, segurança e baixo custo

Descrição

A ULMA Construcción contribuiu para melhorar a circulação do território basco, criando acessos às localidades próximas do rio Deba, com as suas obras no trecho de Eskoriatza Norte-Arrasate Norte que pertence à Auto-Estrada Eibar-Vitoria. Foram realizados diferentes projetos, como o Túnel Izurieta-Apotzaga, o primeiro deste trecho.

Com 260 metros de comprimento, desboca com o viaduto de Basagoiti, de 427 metros, projetado para transpor o vale existente. A este há de acrescentar duas passagens superiores, que dão alusão a complexidade da orografia.

O viaduto de Basagoiti consta de 427 m de comprimento, e composto por três pilares em forma de V, com 35 m cada, unidos a um plinto. A sua seção transversal é retangular com 2,25 m de altura por 5,50 m de largura. Entre os eixos de ambos os vãos, formam um ângulo quase reto.

Solução ULMA

Para a execução dos pilares foram utilizados os mesmos produtos e o mesmo processo nos três casos: fôrmas com escoras e vigas sobre Treliças H-33, com tamanho suficiente para os 35 m da concretagem de ambas as fases. Por sua vez, as superfícies de fôrmas de Vigas HM-500, formaram com painel fenólico, vigas e escoras, todo o conjunto apoiado sobre Treliças H-33, colocadas a cada 0,5 m. A união entre as superfícies foi efetuada com Barras DW. A transmissão de cargas destes pilares para o terreno se realizou através de dois grupos de torres T-500. Além disso, transmitiram-se cargas ao plinto do pilar através de perfis com barras de ancoragem e cunhas de desforma.

Na desforma do sistema, para evitar deformações e fissuras no concreto, deixou-se o pilar apoiado através de torres nas extremidades, suportadas por fios esticados a meia altura.

No processo de concretagem dos pilares foi utilizado concreto auto adensável, ou seja, este não requeria a utilização de vibradores. Desta forma, conseguiu-se uma melhor qualidade e acabamento, e evitou-se o surgimento de imperfeições.

No falso túnel Izurieta-Apotzaga, o sistema utilizado consistiu num carro como suporte de fôrma para o interior. Sendo assim, executou-se a seção completa, desde seu início. O carro foi deslocado sobre trilhos, onde o sistema de rodagem avançava, sendo que a execução do túnel foi realizada em trechos, devido ao seu comprimento.

O setor de engenharia da ULMA Construcción utilizou um sistema de estrutura leve, capaz de mover uma grande superfície de Fôrma Vertical BIRA, sem necessidade de meios auxiliares externos, conseguindo um maior rendimento, segurança e baixo custo de execução. Isto foi possível graças à utilização de um sistema de acionamento hidráulico para o seu deslocamento, tanto no sentido horizontal como vertical.

O comprimento total do carro era de 12,25 m, 17 cm de sobreposição com a localização anterior e 1,30 m a frente para a fixação do topo frontal e da plataforma de trabalho.

Os Painéis BIRA fixados sobre escoras longitudinais (unidas com réguas e cavilhas 20 x 70) cuja função foi servir de pontos de apoio para a fôrma superior dos painéis. Estas escoras permitiram por sua vez, a passagem das ancoragens (braçadeiras) com o suporte das treliças. Estas peças suportaram a pressão que o concreto exerce sobre a fôrma, assim se garantiu a estabilidade do conjunto na fase de trabalho e no momento de mudança da fôrma.

Dentro do mesmo trecho da Auto-estrada AP-1, realizou-se a montagem do cimbre e da fôrma das Passagens Superiores 13 e 16. A solução para executar uma passagem com estas características, baseou-se na utilização da Fôrma Horizontal ENKOFORM H-120 e de cimbre como sistema de escoramento sobre as sapatas. Além disso, para as zonas próximas dos estribos, optou-se pela solução de salva-taludes, formada por uma série de perfis laminados de grande resistência.