Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Fôrmas e escoramentos inovadores na ponte estaiada do Arco da Inovação

12/03/2020
Um marco para a cidade, o Arco da Inovação, a nova ponte estaiada que vai mexer com São José dos Campos, interior de São Paulo, e vai mexer literalmente. Para a construção da estrutura foi necessários equipamentos versáteis e com alta tecnologia, por isso a construtora Queiroz Galvão recorreu a um tradicional parceiro, a ULMA Construction.

A ponte que vai ligar as Avenidas Zarur, São João e Cassiano Ricardo, promete desafogar o transito no principal ponto de congestionamento da cidade, a rotatória do colinas. Vale ressaltar que a ponte vai receber 2 viadutos, um superior e outro inferior em formato de X, além de uma ciclovia de 3.6 km de extensão e receberá mais de 180 mil veículos por dia, beneficiando mais de 60 mil trabalhadores da região. 

A estrutura principal é formada por 2 mastros de seção variável, unidos a uma altura de 100 metros, formando o Arco, que é executado com o Sistema Autotrepante ATR da ULMA, forma específica para a execução de estruturas verticais. Quando agente começou a estudar essa obra, a ideia já foi muito clara, usar o sistema ATR. "Eu sou um defensor desse sistema", Ricardo da Rocha, mestre de obras da Queiroz Galvão.

"Tudo que pode trazer uma melhor produtividade para o ciclo, produtividade para obra e principalmente segurança operacional para a equipe, a Queiroz sempre olha com bastante apreço por essas soluções, sair um pouquinho do convencional, sair daquilo que se é praticado na média do mercado, para apresentar soluções realmente diferenciadas, tecnológicas e de engenharia", afirmou o Eng. Rodrigo Marques, Gerente de Produção.

O grande diferencial do Sistema Autotrepante ATR é que você não precisa utilizar grua, sua movimentação acontece com o apoio de um sistema hidráulico. “Ele se ajusta e se desloca independente da necessidade de apoio de outros equipamentos, enquanto um sistema convencional é preciso desmontar todos os elementos, trazer esses elementos ao solo, reposicionar os consoles, reposicionar os sistemas de apoio e depois voltar essa fôrma, então é um ciclo demorado e arriscado”, afirmou Rodrigo Marques.

“Você fica com a grua parada o dia inteiro e você demora um turno inteiro para subir, já no sistema ATR agente demora algo como 1 hora, 2 horas no máximo, ele requer pouquíssima preparação e não precisa de outros equipamentos”, completou Ricardo da Rocha.

"No sistema convencional trepante, daria para fazer uma relação de aproximadamente o dobro de tempo do ciclo do ATR na média, considerando os trechos mais difíceis e os mais simples", destacou Rodrigo Marques.

Enquanto os pilares, com seção em formato de cálice, que chegam a 14 m de altura são construídos com o auxílio da Fôrma ENKOFORM VMK e de uma Fôrma Especial, também fabricada pela ULMA.

A obra também utiliza outros sistemas da ULMA a exemplo do COMAIN para as fôrmas de vigas pré-moldadas além das Escoras de Alumínio ALUPROP e dos Cimbres T-60 e BRIO para os escoramentos de lajes, vigas e travamentos. E para vencer os vãos ficam entre os apoios, o destaque para os Perfis Metálicos Especiais, sem falar no Andaime Multidirecional BRIO, que ajudou no acesso a diversas partes da obra, incluindo o mastro.

Para saber mais sobre o projeto do Arco Inovação, assista ao vídeo